Cadeira de rodas manual Stand Up


Milagre! Ah não, é só tecnologia…

Meu Deus, o cadeirante ficou de pé!! Há muito tempo isto não é impossível, nem é novidade. Desde seis meses após a minha lesão que eu fico de pé utilizando órteses. A primeira vez que fiquei de pe apos a lesão foi em uma maquina de ortostatismo, no Hospital Sarah. E foi o primeiro momento constrangedor que passei. A maquina e composta de uma plataforma que se parece com um púlpito, que a gente se aproxima de frente, prende os joelhos e é passado uma faixa sob o quadril. Aí é só ligar a máquina e ela puxa a faixa e vai te deixando de pé. A única dificuldade é passar a faixa por trás do quadril, temos que elevar o corpo para possibilitar que seja colocada atrás. Muito prático e simples de operar, assim que mas nesta época eu não tinha sensibilidade nem controle das necessidades básicas. Assim que a máquina puxa toda a faixa, ela pressiona o quadril e a barriga contra a plataforma, para estabilizar o corpo. Ao acabar o processo, foi só apertar minha barriga para as necessidades básicas funcionarem. E algumas "bolinhas" apareceram atrás de mim…


Cadeirante geralmente depende de alguém quando precisa pegar alguma coisa no alto.

Depois dessa vergonha, o pessoal do Sarah confeccionou para mim um par de órteses de plástico, no formato das minhas pernas. Com elas, eu conseguia ficar de pé usando qualquer bancada, janela ou apoio firme, basta colocar as órteses e puxar o corpo para cima. Passei a fazer fisioterapia em casa, e usando a cabeceira da cama como apoio, ficava de pé três vezes por semana em casa. Algum tempo depois, iniciei a fisioterapia na clínica, e ficava de pé usando aquelas barras em forma de escada que ficam perto da parede. E depois quando iniciei a hidroterapia, ficou tudo mais fácil pois ficar de pé na piscina é bem melhor pois o peso do corpo diminui na água. Além disso não dá aquelas tonteiras que a gente sente quando fica de pé no solo.


Com a cadeira Stand Up, isso acabou!

 

Como minhas órteses ficavam na Aquafisio BH, onde faço hidro, eu acabava não ficando mais em casa. Até que descobri uma forma mais simples e parecida com a máquina do Sarah, a cadeira Stand Up, que usa um sistema elétrico para levantar o assento e encosto da cadeira até a posição de pé – ou melhor, quase totalmente de pé, pois é preciso ficar em um ângulo menor que noventa graus para não virar para a frente. A primeira que vi foi na Reatech em 2009, motorizada, que permite inclusive que o cadeirante rode de pé. É bem interessante, vi um cara rodando com ela na posição vertical e achei uma coisa de outro mundo. A solução para frequentar festas, onde a maioria geralmente conversa de pé, e a gente que é cadeirante fica tentando entrar no papo esticando o pescoço. Só que fui ver o preço do equipamento e quase cai para trás, na época era mais de quatorze mil reais (hoje já passa de 15 mil).
Como não era tão útil nem viável, deixei para lá. Até que em 2014 descobri que há um modelo mais em conta (nem tanto, afinal custa em torno de 6 mil), a Stand Up manual. É uma cadeira comum, com aros para tocar nas rodas, porém tem o sistema que deixa o cadeirante de pé. Alguns meses depois um amigo meu, o Cristiano, comprou uma, e fiz uma matéria aqui no blog sobre ela. O tempo passou, e acabei fazendo outra órtese para ficar em pé em casa. Assim não ficaria muito tempo sem ficar de pé, pois estava indo à hidroterapia apenas uma vez por semana.


Da posição sentado para de pé em poucos segundos.

Porém, um belo dia, navegando pelo Facebook, vi que um cadeirante do estado de São Paulo estava vendendo uma cadeira Stand Up manual usada, por pouco mais de dois mil reais. Entrei em contato, combinamos o frete e fechei o negócio. Em uma semana ela chegou para mim. Tive um pouco de receio por estar comprando usada, mas por sorte ela estava realmente em bom estado, tudo funcionando direitinho, exceto pela bateria, que precisei trocar, mas o vendedor arcou com este custo.
Comecei a usar a cadeira e ela faz o que promete, coloca o cadeirante de pé. Como disse antes, não é totalmente vertical, a gente fica um pouco para trás, mas não atrapalha em nada. O importante ela faz, descarga de peso sobre as pernas, e permite alcançar qualquer coisa que esteja no alto – no meu caso é qualquer coisa mesmo, pois tenho 1,95m. Com ela consigo alcançar malas na parte de cima do armário, qualquer coisa que esteja em uma prateleira alta, copos e panelas que são guardados no alto, e até trocar lâmpada eu consegui trocar! Veja abaixo a avaliação dela no meu canal.

Se vale a pena gastar quase seis mil reais só para ficar de pé e alcançar alguns lugares? Sim, vale. Se tiver este dinheiro sobrando, vale a pena sim, pois não é só para alcançar, ela é importante para a saúde, pois com o tempo os ossos vão enfraquecendo, e ficar de pé mantêm os ossos mais íntegros, fazendo a descarga de peso sobre eles. Porém não é só comprar e ficar de pé, é preciso consultar com fisioterapeuta e ortopedista para verificar se você pode ficar de pé, um destes profissionais irá solicitar um exame de densitometria óssea, que irá verificar a força que tem nos ossos. Se está há anos na cadeira sem ficar de pé, corre o risco de já estar com os ossos fracos e pode ser perigoso ficar de pé assim. Clique aqui e veja a matéria que fiz sobre ortostatismo abaixo, e consulte sempre seu médico antes de fazer qualquer atividade!

Fonte: Blog do Cadeirante
Data: 12/01/2018