fbpx
 

Casal com deficiência visual mostra que ser pai e mãe vai muito além de qualquer limitação

dezembro 7, 2020
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Em livro, jornalista conta a experiência da maternidade refletindo as questões relacionadas à sua deficiência

Mães e pais sabem como é a expectativa para a chegada do primeiro filho. O medo, o receio, a ansiedade, a curiosidade para descobrir se é menino ou menina, os inúmeros preparativos, exames, enxoval e os (muitos) palpites alheios. Com a jornalista Mariana Baierle, 35 anos, e o bancário Rafael Martins dos Santos, 42 anos, o turbilhão de emoções veio somado à pandemia de coronavírus e a um elemento particular do casal: os dois têm retinose pigmentar, doença congênita degenerativa que causa deficiência visual e até cegueira total.

Mariana tem entre 5% e 10% de visão. Já Rafael enxerga de 15% a 20% com o olho direito e é cego do esquerdo. Ao contar animada sobre a gravidez, Mariana recebia perguntas como: “Teu marido enxerga?”, “como vai ser quando a criança nascer?”, “vocês vão ter alguém 24 horas ajudando?”. Os questionamentos vinham de colegas de trabalho e da própria família. Será que eles seriam capazes de criar uma criança? Esta é uma dúvida que pode ser a de muitos pais, mas, no caso deles, sentiram que vinha com uma desconfiança maior.

Mariana e Rafael têm amigos com deficiência que são pais, mas sabem que, para muitos casais com deficiência, a falta de apoio é grande. O preconceito fez com que o direito de uma pessoa com deficiente à paternidade e à maternidade tivesse de ser garantido por lei no Brasil, com o Estatuto da Pessoa com Deficiência. Rafael chegou a acreditar que jamais seria pai.

— Eu pensava: “Não posso ser pai, imagina, é uma irresponsabilidade… Uma criança!”. O que eu enxergava não era para mim, era para os outros. Então, com o tempo, comecei a conhecer pessoas com deficiência e a minha médica mesmo disse que eu é que era muito preconceituoso — confessa.

Para Mariana, ter uma deficiência foi mais uma barreira a ser ultrapassada. Com baixa visão desde que nasceu, a jornalista nunca se sujeitou aos diversos “nãos” que recebeu. Como ela mesma diz, sair na rua já é um desafio, mas não iria deixar de fazer nada.

Natália, a filha do casal, nasceu no dia 10 de junho deste ano. Hoje com seis meses e 100% de visão, ela parece já compreender o que é acessibilidade.  A sinergia com os pais é tão grande que a bebê encontrou o próprio jeitinho para se comunicar com os dois.

— Ela chegou meio que entendendo os pais que tem. E aqueles medos todos, a gente se dá conta que é mais por ser o primeiro filho, e não uma questão de incapacidade. Nossa consultora de amamentação dizia: “Fiquem tranquilos, vocês tendo amor, vai dar tudo certo” — comenta Rafael.

—Todo mundo diz que os filhos se adaptam muito aos pais. A Natália é muito sonora. Parece que é instintivo dela, a gente brinca que parece que ela vai falar antes, porque sabe que não adianta ficar apontando — conta Mariana.

Mesmo durante a gravidez, o casal não deixou de viver as mesmas emoções da espera. Mariana lembra a primeira vez que ouviram o coração da pequena batendo durante uma ecografia.

— O áudio do coração era uma das coisas mais emocionantes para nós.

O exame, que é muito visual, foi adaptado para eles graças à sensibilidade da médica.

— A doutora Bianca Balestro congelava a tela no final, pegava a minha mão e mostrava: “Aqui está o olhinho, aqui está a boquinha”. Ficava me mostrando para eu tentar entender. A imagem da ecografia já é algo difícil, então ela ia descrevendo e me contando — relembra Mariana.

Os dois foram registrando todos os momentos do processo, e isso foi uma das razões para que Mariana decidisse transformar as memórias em um livro. Ela sentia que faltava explorar mais o universo feminino e a maternidade nas publicações que participava sobre acessibilidade. Com o título Maternidade e Deficiência Visual: do Sonho ao Nascimento de Natália, o livro é um relato sincero da jornalista sobre o que passou da gravidez até os primeiros dias após o nascimento. Para conseguir o investimento para publicar, Mariana fez uma campanha de venda antecipada entre os amigos (os detalhes para ajudar estão no blog Três Gotinhas, no qual ela já publica suas reflexões sobre a deficiência).

—Parece meio óbvio dentro do universo das pessoas com deficiência, mas para a sociedade em geral não é. É mais do que necessário mostrar que é possível, já que as pessoas ainda te colocam como incapaz, principalmente se é mulher. O que falta é entender que educar é muito mais difícil que do ser uma mãe com deficiência.

FONTE:
GZH

 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

A Cipa Fiera Milano é especializada em feiras de negócios e publicações técnicas e tem como objetivo, aproximar organizações e criar oportunidades de relacionamentos, por meio da realização de grandes feiras e publicação de revistas setorizadas na América Latina.

Receba Nossa Newsletter

Seu nome completo

Seu e-mail

 Sim, eu quero receber comunicações do Grupo Cipa Fiera Milano
 Sim, eu quero receber comunicações dos parceiros do Grupo Cipa Fiera Milano
 Sim, eu concordo com os termos de uso e com a Política de Privacidade do Grupo Cipa Fiera Milano

Fale Conosco

Avenida Angélica, 2491 - 20 andar -
Cj. 203 / 204

Telefone:
+55 11 5585.4355 / +55 11 3159-1010

E-mail: info@fieramilano.com.br

Website: www.cipafieramilano.com.br

Copyright by Reatech Brasil 2020. All Rights Reserved.

COMUNICADO IMPORTANTE
BOLETO FALSO

CLIQUE E SAIBA MAIS
close-link